Nesta sexta-feira (03), segundo dia da Plenária Nacional dos Dirigentes Sindicais Comerciários da UGT (União Geral dos Trabalhadores), iniciou com uma intervenção do presidente ugetista Ricardo Patah, que abordou o tema referente ao veto do artigo 5º da regulamentação da profissão que trata, justamente, da sustentação financeira das entidades sindicais.    ...
Em um desenho ainda preliminar da face do novo governo, pelo menos 12 ministros poderão permanecer no segundo mandato, mas não necessariamente nos mesmos cargos. Para o Ministério da Fazenda, entre todos os nomes já cogitados, o que mais se adequa ao estilo da presidente Dilma Rousseff é o do economista Nelson Barbosa, que foi secretário Executivo da pasta até meados do ano passado e secretário de Política Econômica no governo Lula. "Ele já a conhece e sabe em que pontos ela é turrona; e ela também já o conhece e sabe no que ele é turr&at...
A presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) só passou à frente de Aécio Neves (PSDB) durante a apuração dos votos no domingo (26) às 19h32, com 88,9% do total apurado. Um gráfico elaborado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra a evolução dos votos recebidos pelos dois candidatos à Presidência. Aécio inicou a apuração, às 17h01, com 51,62% dos votos válidos. Quatro minutos depois, ele abriu sua maior vantagem durante toda a apuração, chegando a 67,7% (isso com apenas 139.808 votos contabilizados). A petista f...


Dilma: "Meu compromisso para o segundo mandato é o diálogo".
Reeleita com 51,6% dos votos, presidente fez seu primeiro pronunciamento em um hotel em Brasília. Reeleita para mais quatro anos de governo, a presidente Dilma Rousseff (PT) assumiu como primeiro compromisso do segundo mandato o diálogo. Após a vitória apertada sobre Aécio Neves (PSDB), a petista assegurou empenho para aliviar a tensão provocada pela campanha. Ao mesmo tempo, garantiu medidas para retomar o crescimento da economia, defendeu ações para o combate à corrupção e anunciou a realização de um plebiscito para iniciar a reforma política. — Essa presidente aqui está disposta ao diálogo. E esse &eac...

Contrário ao piso regional, vice-governador eleito também é contra sindicatos e leis trabalhistas.
Eleito para governar o Rio Grande do Sul para os próximos quatro anos, José Ivo Sartori, do PMDB, obteve 3.859.611 votos (61,21% dos válidos), contra 2.445.664 (38,79%) de Tarso Genro, candidato à reeleição pelo PT. A vitória do ex-prefeito de Caxias do Sul, no entanto, causou preocupação entre sindicalistas, em razão do posicionamento avesso à valorização salarial dos trabalhadores, manifestado pelo vice-governador eleito, José Paulo Cairoli (PSD). Crítico contumaz do salário mínimo regional, Cairoli emitiu opiniões polêmicas a respeito da legislação trabalhista. Em vídeo, publicado no YouTub...